Bateria Matusalém armazena energia verde por décadas

Bateria Matusalém

Pesquisadores da Universidade de Harvard, nos EUA, sintetizaram uma nova substância orgânica com um tempo de vida que supera de longe suas predecessoras, permitindo criar a bateria de fluxo orgânica de alto desempenho mais duradoura até hoje.

Apelidada de “quinona Matusalém”, essa molécula pode armazenar e liberar energia dezenas de milhares de vezes ao longo de vários anos.

Para isso, ela é utilizada em uma bateria de fluxo, também conhecida como bateria estacionária ou bateria líquida.Nelas, a energia é guardada não na própria bateria, mas em tanques, o que elimina o limite máximo de carga que a bateria pode armazenar. Isso permitirá armazenar qualquer quantidade de energia geradas pelas fontes renováveis, como solar e eólica, eliminando as oscilações naturais destas fontes e garantindo que a rede de distribuição receba sempre um suprimento constante de eletricidade.

Veja também:  PROCESSADOR NEUROMÓRFICO BATE CÉREBRO ELETRÔNICO DE SUPERCOMPUTADOR

“Nós projetamos e construímos um novo composto orgânico que pode armazenar energia elétrica e também tem uma vida muito longa antes de se decompor. Descobrimos os processos de degradação das moléculas que usamos anteriormente em nossas baterias de fluxo. Então criamos moléculas novas e mais estáveis que evitam esses problemas,” disse o professor Roy Gordon, que vem trabalhando em suas baterias de fluxo orgânicas há vários anos.

A molécula Matusalém é uma quinona modificada, uma molécula natural abundante que integra processos biológicos como a fotossíntese e a respiração celular.Os experimentos mostraram uma degradação menor do que 0,01% por dia e menos do que 0,001% de degradação por ciclo de carga e descarga da energia. Extrapolando esses dados, a equipe garante que sua bateria perderia menos de 3% da capacidade de carga por ano – quando ela chegar a um nível inaceitável, bastará trocar a substância nos tanques. Fonte: inovacaotecnologica




Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *